top of page
lucas.diesel_background_website_greek_mythology_UX_1a471611-7b73-457c-8db8-53a5a839a4c9.pn

Óreas

Óreas (em grego Ὄρειας) são as personificações das montanhas, sendo cada montanha uma entidade própria, as quais podiam emergir de seu elemento para interagir com outras divindades. O mais famoso dos Óreas foi o Monte Olimpo, a maior montanha da Grécia e lar dos deuses do olimpo. Cada montanha tinha sua própria ninfa local, chamada Oréade.

“E ela (Gaia) deu origem às longas Óreas (Montanhas), refúgios graciosos das deusas Ninfas que habitam entre os vales das montanhas.”

- Hesíodo, Teogonia

Zeus Mitologuia.png

Arte ilustrativa, para uma visão fiel a grega antiga consulte as artes em cerâmica, já para a visão romana procure pelas estátuas e artes em mosaico (para ambos recomendo o site Theoi.com).

As montanhas eram retratadas na arte clássica como homens velhos e barbudos emergindo parcialmente de entre um par de penhascos.

História

Os Óreas, personificações das montanhas, ao lado das ninfas Oréads são considerados espíritos protetores das regiões montanhosas.


Os mitos relacionados às Óreas eram variados e muitas vezes envolviam competições e rivalidades entre as montanhas. Um exemplo notável é o concurso de canto entre o Monte Citerão e o Monte Hélicon.


“[Monte Citerão e Monte Hélicon competem em um concurso de canto] Essa era a música dele [Citerão]; e imediatamente as Musas instruíram os abençoados a colocarem suas pedras de voto secretas nas urnas brilhantes de ouro; e todos eles se levantaram juntos, e Citerão ganhou o maior número; e Hermes prontamente proclamou com um grito que ele havia vencido. sua desejada vitória, e os abençoados o adornavam com guirlandas de abetos, e seu coração se alegrou; mas o outro, Hélicon, dominado por uma angústia cruel, arrancou uma rocha lisa, e a montanha estremeceu; e gemendo lamentavelmente ele a derrubou do alto, da altura de dez mil pedras."

- Corinna, Fragmento


Além disso, a mitologia frequentemente destacava a ligação entre as montanhas e outras divindades, como Hermes, que nasceu no Monte Olimpo.


"Ele [Hermes] nasce no cume de Olimpo, no topo, a morada dos deuses... Ele tira os panos e começa a andar imediatamente e desce do Olimpo. A montanha se alegra com ele - pois seu sorriso é como o de um homem - -e você deve presumir que Olympos se alegra porque Hermes nasceu lá.”

- Filóstrato, o Velho, Imagines


Outra história envolve Pã, que competiu com Apolo na arte da música nas encostas do Monte Tmolus.


“Os penhascos do [Monte] Tmolus, íngremes, largos e altos, olhando para o outro lado do mar, de um lado caem para Sardes [cidade grega], do outro chegam ao fim na pequena Hipaepa [cidade grega]. Lá Pã cantava suas canções, ostentando-se entre as gentilmente Ninfas, e tocou árias leves em sua flauta, e ousou se gabar da música de Apolo, superada pela sua, ensaiando com o velho [Deus da Montanha] Tmolus como o juiz da disputa desigual. No topo de sua montanha o juiz estava sentado; de seus ouvidos ele libertou as árvores da floresta; apenas uma coroa de carvalho franziu de seus cabelos verdes, com bolinhas penduradas em suas têmporas ocas. Então, olhando para o deus-pastor, ele disse: 'O juiz atende.' Então Pã tocou música em seus juncos rústicos e com sua canção rude encantou o rei. Midas por acaso estava lá. Para Apolo próximo túmulo, Tmolus se virou e, quando ele se virou, sua franja de árvores também se virou... com toque hábil ele dedilhou as cordas e, vencido por acordes tão doces, o velho Tmolus fez um arco de cana para a lira. O julgamento e a recompensa da Montanha Sagrada agradaram a todos que ouviram."

- Ovídio, Metamorfoses

bottom of page